O mundo corporativo já sabe que a capacidade de trabalhar em equipe é um requisito indispensável para encarar os desafios de um mercado cada vez mais híbrido e complexo. Mas estamos falando de uma skill que muitas vezes precisa ser desenvolvida ali, no dia a dia, no olho no olho de mentes que têm tudo para fazer a diferença, mas ainda não encontraram o encaixe perfeito para fazer acontecer de mãos dadas. Mas não é hora de pânico: reuniões motivadoras, treinamentos corporativos e outros remédios podem salvar a relação e, ao mesmo tempo, garantir que ela renda a entrega que faltava para os resultados. Com o Team Building, por exemplo, a SPUTNiK parte da premissa de que a leveza pode ser, sim, uma vantagem competitiva estratégica para resultados mais rápidos e duradouros. Colaboração, fluidez e integração são variáveis fundamentais dessa equação.

Enquanto sua empresa não encontra a melhor metodologia para resgatar a relação do time, dominar a arte de estreitar laços já é meio caminho andado para ter uma equipe de alta performance bem ali, na próxima sala do escritório.

Antes de mais nada: o que entendemos por equipe de alta performance?

A química é tão intensa que você até sente as faíscas quando eles estão juntos. As reuniões são empolgantes e o compartilhamento de resultados é sempre motivo para brindar ou para uma recepção em clima de Copa do Mundo. Uma equipe de alta performance entrega, envolve e potencializa o impacto da marca. Mas é preciso tomar cuidado para cuidar bem do que se tem ou para identificar caminhos que façam o time mudar o mindset e alcançar o próximo nível. Para isso, há algumas características que não podem faltar para diagnosticar uma equipe de alta performance:

  • Uma sinergia poderosa: Como comentamos, é fácil identificar uma equipe de alta performance por meio da sintonia harmoniosa de interesses e objetivos. Todos estão na mesma página e sabem quais são as prioridades do time.
  • Entrosamento que contagia quem observa de fora: Em uma época competitiva para a retenção de talentos, uma empresa com equipes de alta performance consegue garimpar o interesse dos melhores profissionais, atraídos por uma cultura de pessoas em que há a livre manifestação de ideias e um canal aberto de diálogos que garantem relações leves e positivas entre todos.
  • Todos têm superpoderes: Há a valorização de toda forma de habilidade. Dos mais tímidos aos que têm a liderança na veia, todos são incentivados a contribuir e, tijolo por tijolo, a equipe constrói o seu legado. 
  • Expectativas em dia: Todos os integrantes estão com suas prioridades devidamente calibradas. Há uma consciência clara de metas que devem ser alcançadas em conjunto, e qual deve ser o papel individual de cada colaborador. 
  • Brigas, não. Negociações: Uma equipe de alta performance adota estratégias de gerenciamento de conflitos como regra para uma relação saudável. Práticas como a da comunicação não violenta estão na cartilha básica para um convívio harmonioso e produtivo.

E agora, como despertar a alcateia que existe dentro do time? Algumas dicas

  1. Valorize a história única de cada colaborador: Há um motivo para a presença de cada um dos integrantes da equipe. Não se esqueça disso e invista no crescimento de todos os seus colaboradores. Observe suas skills, pense no que falta. Aposte no desenvolvimento pessoal de cada um, assim como em treinamentos que construam o time coletivamente.
  2. Mas não crie protagonistas e coadjuvantes: Tome o cuidado de manter um equilíbrio de responsabilidades entre os colaboradores. Aqui, é importante que haja uma apreciação mútua entre os membros da equipe, ao mesmo tempo em que nenhuma função é subestimada quando o assunto é o fortalecimento estratégico coletivo.
  3. Incentive a troca: É importante criar espaços de intercâmbio de habilidades e de experiências culturais e sociais. Organize workshops internos em que cada colaborador possa contribuir com alguma habilidade que, no dia a dia poderia ser melhor aproveitada por outros colaboradores. Dessa forma, a equipe valoriza os talentos internos de cada integrante, ao mesmo tempo em que potencializa a capacidade técnica coletiva.
  4. Onde há fumaça, não crie fogo: Trabalhe a gestão de conflitos a partir da empatia e do distanciamento. Não favoreça lados. É importante antecipar-se aos passos de cada conflito para que ele não comprometa os resultados e mantenha o time unido.
  5. Entregue a chave para o time:  É importante que o time ganhe sinal verde para implementações, ainda que elas, muitas vezes, resultem em produtos novos ou horizontes ainda não explorados. Cultive uma cultura de intraempreendedorismo sem medo.
  6. Não se esqueça do feedback: Procure manter uma ponte de trocas com a equipe. Mantenha-a informada em tempo real sobre seu nível de satisfação com a entrega feita. Não faça uma bola-de-neve de “poréns”, pois é muito importante priorizar a eficácia e deixar o ego de lado. Incentive os colaboradores a alimentarem o mesmo mindset internamente.

Não dá pra falar de impacto e inovação sem uma cultura organizacional sólida que, por sua vez, não existe sem um time comprometido e que se identifique com os propósitos da empresa. Por isso, se jogue e não tenha medo em investir no brilho do olhar do seu time — já que, em um piscar de olhos, sua empresa terá, de repente, aquela equipe de alta performance para, finalmente, poder chamar de sua.