Vivemos um novo momento na educação, e o aprendizado corporativo também ganha um novo viés no cenário pós-pandemia que promete ser o futuro do ensino in company

Mesmo com muita gente achando que a pandemia já acabou (#ficaemcasa e #usamáscara pelamor!), muitas empresas já definiram que o home office continua até o ano que vem. Quando isso tudo começou, ninguém achava que ia dar certo, mas fomos (e estamos) aprendendo a criar novas rotinas que sejam, ao mesmo tempo, produtivas e não-enlouquecedoras. Afinal, trabalhar de casa não significa abrir mão da sua vida pessoal, e muito menos que você precisa interromper o processo de educação dentro da empresa que teve início antes do vírus se instalar.

Você vai encontrar neste post:

  • Uma virada histórica
  • Dê o primeiro passo (virtual!)
  • Como fazer isso?
  • Se joga no aprendizado nonstop
  • Tão longe e tão perto!
  • Dê o play no engajamento
  • Produtividade a mil
  • Colaborar é a tendência que ficou <3

 

Antes, se a gente pensava em educação corporativa (EC), como o próprio nome diz, entendia que o aprendizado acontecia in company. Agora, tudo mudou e se a sua empresa conseguir se adaptar, criando estratégias que funcionem à distância, vai conseguir chegar até seus colaboradores de um jeito inovador e, mais do que isso, bastante efetivo para o aprendizado coletivo. 

Que tal implantar a educação corporativa à distância? Vem com a gente saber como!

Uma virada histórica

Sim, não tem como negar que a pandemia está causando uma transformação na nossa vida nunca antes experimentada. Escolas do mundo todo tiveram que criar novas maneiras de ensinar e estar presentes no dia a dia dos estudantes, e as empresas também precisam se reinventar para não deixar a peteca da Universidade Corporativa cair.

Quem decidiu criar essa tal Universidade Corporativa já sabe que a educação tradicional cedeu lugar para a educação disruptiva, aquela que carrega a mudança e é a chave para trazer seus colaboradores para mais perto da inovação. A gente diz perto porque a transformação é colaborativa (e linda!). 

Mas e agora, nesse momento em que as pessoas não estão fisicamente juntas?

Que bom que você perguntou!

Esse foi outro ensinamento que a pandemia nos trouxe: podemos estar juntos mesmo separados porque não só a tecnologia, mas a vontade de continuar aprendendo é o que nos conecta. Mesmo com cada colaborador na sua casa, lidando com seus próprios percalços por esse novo caminho que a gente percorre, é possível que a educação corporativa continue unindo todos eles na mesma troca que estavam fazendo antes, porém com um approach diferente. Distante, é possível reunir experiências (antigas e novas), trazer pontos de vista renovados, criar interação de um jeito único. A educação corporativa à distância se mostra real, efetiva e muito interessante. A gente só precisa, juntos, encontrar qual a melhor forma para o seu time seguir evoluindo.

 

Dê o primeiro passo (virtual!)

Como a sua empresa estava fazendo a educação corporativa funcionar? Bem, podemos apostar que a tecnologia já fazia parte desse cenário, correto?! Então não vai ter muito segredo para tornar viável que o processo funcione à distância. É verdade que, em pouco tempo de ensino virtual, 83% dos professores de escolas públicas e particulares disseram estar despreparados para conduzir os alunos nas aulas online. E isso pode também acontecer na sua empresa.

Por isso, é bom começar revendo as estratégias que estavam surtindo efeito quando todo mundo ainda estava podendo se aglomerar no ambiente de trabalho para ver o que vai e não vai rolar com o processo se tornando 100% digital. Tanto os colaboradores quanto os mentores e a liderança precisam bater um papo para decidir o que pode ser aprimorado e o que tem que ser pausado por um tempo (não tem nada de errado nisso!): o importante é o processo ser funcional para cada membro do seu time.

 

Como fazer isso?

Algumas empresas estão, inclusive, fornecendo uma ajuda de custo para que seus colaboradores possam contratar uma internet mais veloz ou até mesmo para dar um help na conta de luz, que com certeza vai aumentar com o fluxo de trabalho e toda a vida que passou a acontecer apenas dentro de casa. Outras entraram na onda mindfulness e criaram aulas online de ginástica laboral, meditação, reiki e muitas outras para acompanhar de perto os times em momentos de stress e burnout. Se a sua empresa quer sair à frente, esse é um ponto bem interessante a ser considerado porque mostra que ela se importa não só com a produtividade e as vendas, mas com o bem-estar e a saúde mental de todos.

A capacitação que acontecia para a interação in loco pode precisar de alguns ajustes, as atividades podem ser revisitadas, novas estratégias podem ser criadas para que os colaboradores não se sintam exaustos com o home office mas motivados porque enxergam nesse modelo uma oportunidade de crescimento pessoal e profissional.

 

Se joga no aprendizado nonstop

Como falamos antes, o home office não tem nada a ver com estar disponível para o escritório 24/7. Mas quando falamos sobre a educação corporativa à distância, o nonstop tem uma conotação bastante positiva. Se a sua empresa começa a transformar o processo de aprendizado para a versão digital, isso significa que os colaboradores vão ter acesso aos conteúdos, atividades, palestras e afins a qualquer hora e em qualquer lugar.

As vantagens disso? Cada um deles ganha autonomia para estudar quando puder, e se decidir fazer isso fora do horário comercial é uma escolha pessoal, não aquela obrigação de estar no computador para uma business call inesperada às 22h de uma sexta-feira. Tem também a facilidade de acesso (pode participar de tudo pelo smartphone, tablet, computador, até na smart TV rola), a flexibilidade, a tranquilidade de não ter que se deslocar para a empresa – e por falar nela, a redução de alguns custos com a digitalização do processo é um bônus!

 

Tão longe e tão perto!

A Pesquisa Nacional sobre Práticas e Resultados da Educação Corporativa, realizada pela FIA – Fundação Instituto de Administração revelou, em 2018, que uma das tendências da EC seria a transformação digital (falamos sobre o assunto aqui), além da aprendizagem mais colaborativa, aprendizagem por experiência e por relacionamento, e também a aprendizagem adaptativa. Tudo isso faz parte da metodologia híbrida da SPUTNiK que chamamos de Experience Learning: um mash-up entre conceitos clássicos e movimentos contemporâneos educacionais através do olhar do Lifelong Learning, um processo contínuo e flexível de aprendizagem.

Essa educação corporativa disruptiva pode acontecer de qualquer lugar, e se agora ela precisa ser totalmente à distância, não tem motivo nenhum para a sua empresa não se adaptar e ajudar os times a encontrarem formas diferentes de aprenderem juntos usando a tecnologia como uma ferramenta transformadora.

 

Dê o play no engajamento

Você já viu que as barreiras geográficas não vão barrar ninguém no aprendizado remoto contínuo, e que esse novo jeito de aprender tem vários benefícios que a gente nem tinha imaginado antes disso tudo acontecer. Falando sobre engajamento, quando estávamos presencialmente juntos, dava para sentir a vibe das pessoas, retomar o interesse que se perdia no caminho, trazer para perto os gerentes que estavam com a cabeça em outros deadlines. Agora, com a distância, algumas atitudes podem ser tomadas para manter todo mundo engajado, como

 

  • Incentivar o trabalho em grupo:

crie tarefas que precisam ser realizadas através da colaboração para sintonizar os colaboradores entre si e consigo mesmos.

  • Crie canais de interação democráticos:

a sua plataforma precisa ser aberta para que eles possam trocar informações e soluções sem empecilhos, para que possam compartilhar materiais e entrar em contato com os mentores e lideranças para esclarecer dúvidas.

  • Escolha uma ferramenta para organizar o fluxo de aprendizado:

apps como o Trello e o Asana funcionam para que sua equipe possa se orientar e saber o que deve ser feito em cada deadline, além de receberem notificações e lembretes importantes.

  • Não perca a relevância do conteúdo:

tudo o que a empresa compartilha precisa acrescentar algo na vida dos profissionais, então nessa nova fase online é fundamental rever o que estava sendo feito para adequar não só às ferramentas digitais, mas aos novos interesses das pessoas em suas novas rotinas. Add memes, vídeos descontraídos, quiz e games para deixar todo mundo conectado e interessado, além de trazer personalização para o conteúdo!

  • Invista no engajamento:

você pode oferecer recompensas para quem cumprir as etapas da EC à distância, e isso vai funcionar como um incentivo para que todos continuem se esforçando e se dedicando. As recompensas podem ser conteúdos exclusivos, brindes, cartão-presentes, treinamentos, etc.

  • Peça feedbacks:

a empresa pode criar formulários online para pedir sugestões de melhorias e opiniões sobre o novo processo.

 

Produtividade a mil

A empresa que investe na educação corporativa à distância está, na verdade, investindo no potencial de cada colaborador, o que traz benefícios poderosos para ambas as partes. Qual talento não quer fazer parte de uma organização que valoriza o seu desenvolvimento na carreira? Isso já é um incentivo e tanto para ele, e uma vantagem competitiva imensa para a empresa.

Com o processo de ensino digital, a partir do momento em que seu time entende que a capacitação deixou de ser obrigatória a chata para ser interativa e inovadora, não tem como a produtividade ficar no mesmo patamar. Com os treinamentos, aulas e atividades, os profissionais se sentem mais confiantes para realizar suas tarefas, para propor melhorias, tomar decisões e para escolherem ser parte do seu time (acabou o turnover porque a EC é uma opção de sucesso quando o assunto é manter seus melhores talentos!). 

 

Colaborar é a tendência que ficou <3

Lembra que falamos da era da colaboração? Pois é, a troca entre os profissionais é o que vai permitir que eles se sintam confortáveis para atuar em todas as áreas da empresa, mesmo que não façam parte do setor, sabem tudo o que rola por ali. E quando juntamos conhecimento, expertises, vivências e skills, não tem nada que pare a produtividade. A interatividade favorece a redução de erros e o desperdício de tempo, além de transformar a tomada de decisões uma parte com muito menos riscos na rotina corporativa. Pessoas preparadas não têm medo de desafios e estão prontas para criar soluções inovadoras. Ah, e estão prontas também para se tornarem líderes do futuro!

Acreditem: é possível manter aquele calorzim humano das nossas interações presenciais quando a gente se encontra pela tela do computador. As pessoas continuam as mesmas, os métodos ficaram melhores e a troca ficou ainda mais rica. Quer bater um papo sobre isso?